terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Falando em Bolos...

                                     
    E por falar em bolo, lembrei desta foto, feita pela Designer Évelyn Bisconsin, da PortoDG, que realizou o projeto gráfico do meu livro-caderno. Quando vi esta imagem, me deliciei com a semelhança entre as cores do bolo e da capa. Foi aquele que a Anilda, do ""Bhaskara no Lanche da Tarde", levou para a celebração de dezembro. Pude saborear a fatia, exatos 20 anos depois do evento que deu origem ao texto. 

Degustei com demora minha fatia de Bolo de Melado. Não era apenas o mesmo gosto, mas também reencontrei a cor dourada da massa, a textura macia  e, chamemos assim, 'almofádica' na mordida, o sussurro da casca, o aroma das especiarias. Tudo igual, um bilhete de viagem para outro cenário, outras emoções e angústias, quando meu grande fantasma era...A Matemática! Até nesse drama o bolo fez seu papel de dar aconchego, representando a Anilda.

Das peripécias que já contei neste blog, ao longo do ano, você já sabe: muitas receitas de bolo partiram do meu caderno para o forno, e para outros pagos...E tantas outras imigraram de outras origens para minha cozinha. Ainda assim, não há discussão. A Nega Maluca é minha receita mais 'viajada' pelos cadernos afora.  Como sei de cor, e minha pele conhece cada detalhe, em geral acabo escrevendo em folhas avulsas para os amigos, com minha letra de cada etapa. Ela voa, mas deixa raízes. Que bom!

Logo que apresentei o livro, em dezembro, uma amiga e colega de profissão perguntou-me se nele está a receita da minha Nega Maluca. E referiu ainda ter a anotação da receita, feita numa ocasião festiva  ao final de um dos estágios - a 'Despedida de Equipe'- no hospital. Meu 'Como-se-faz' ali, com minha letra, numa folha pautada de cor rosa. Esta notícia tocou-me muito, não apenas pela lisonja de ela ter guardado a receita, mas muito me alegrou saber que se lembrava do bolo, de seu sabor! Quem gosta de cozinha sabe o que significa alguém lembrar de nossa especialidade, depois de tanto tempo! Um elogio que enriquece as memórias!

A 'Nega Maluca' passou por muitos lugares, muitos tempos. Outros bolos, dos que fiz, acabaram marcando minha trajetória, mas esta é minha receita mais clássica. Em cadernos ou em folhas pautadas avulsas, lá está ela. Dia desses, ouvi: "Tenho a folha da tua  receita grudada na geladeira, pra quando der vontade!!!!"

Um agrado sem igual, que merece um bolo inteirinho, em agradecimento!

Estou preparando um post com as dicas da Irma Rombauer, sobre o preparo de bolos. Para quem não sabe ou não lembra, ela é a autora do "The Joy of Cooking", de 1931, que em 2006 completou 75 anos de Aniversário. O livro dela é bárbaro...E o capítulo? Um primor!

Gracias pela visita!
Abraços,
Betina Mariante Cardoso




2 comentários:

  1. Queridona!!! Guardo a receita com carinho e boas lembrancas dos tempos da faculdade....mas a nega com a tua mao nao tem igual. Me emocionei com o post. Beijo e mais sucesso!!! Ah...teu livro e o meu de cabeceira agora!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabriele!!! Que bom saber que estás curtindo o livro!!! Pois boas novas: já estou começando o planejamento do próximo!!! O melhor de tudo é que as histórias são partilhadas com os personagens! Gracias pela lisonja sobre a 'Nega Maluca'! beijos e boa leitura!!!

      Excluir

Participe! Vou adorar compartilhar emoções culinárias com você! Com carinho, Betina