quinta-feira, 1 de junho de 2017

Edição outono-inverno: celebrações, cinco sentidos, cozinha e amor

Junho. No Hemisfério Sul, mês que acolhe o solstício de inverno. Frio, sabores quentes, vinho, aconchego. No Brasil, dia dos Namorados, seguido pelo Dia de Santo Antônio. Começa oficialmente a estação de queijos & vinhos, de Fondue, de partilhar o tempo com o amor ou de celebrar com os amigos e com a família as reuniões alegres em volta da mesa. A passagem dos ciclos do ano como estações narrativas, de acordo com o autor que referi ontem, traz a riqueza de sermos diferentes a cada ritmo: nas roupas, nos cardápios e harmonizações, nos passeios, no entusiasmo, na intimidade.
 Nessa época do ano, ficamos mais em casa, curtimos mais com nosso par os encantos da cozinha, chamamos os amigos para um brinde e escolhemos uma receita invernal para oferecer. Este também é um período em que a vida contemplativa é mais intensa, tomamos os momentos livres para sentir na quietude, sozinhos ou acompanhados, percebendo as cores do frio da rua e os estalidos do fogo na lareira. Os sentidos se expressam sem a vivacidade do verão. tudo é mais silencioso em nossa biologia. Às vezes, até uma melancolia doce chega a nós, assopra no ouvido. Nos deixamos ali, por um pouco. E isso é essencial, porque temos nossos ritmos internos, nosso "clima" e nossas "estações", assim como a natureza tem as suas. 

Há um movimento sutil de hibernar, o ancestral conhece a necessidade e o nosso corpo mantém a sabedoria. Nos recolhemos mais, temos sono, todos os sentidos falam menos. Temos fome, para nos resguardar dos riscos do frio, outra sabedoria do corpo. Desejamos comidas mais fortes, consistências vibrantes, temperaturas quentes nas receitas, tudo o que desperte o elemento sensorial, dorminhoco nos invernos. 
Revista com a receita da "Bagna Cauda",
comida ancestral dos invernos na Itália.
O frio aproxima a nossa pele da pele do outro, proteção e carinho, afago, encontro íntimo que tem, no abraço com o par, o resguardo caloroso. A celebração de um dia que homenageia o amor é invernal também no Hemisfério Norte, no Dia de São Valentino. Talvez seja porque no inverno o par floresce, pela vivência do sentir através do contato físico mais próximo, pelos sabores vibrantes e muitas vezes afrodisíacos das comidas e bebidas, pelo desejo humano de troca afetiva e de conforto pelo calor do estar junto. Tudo isso ocorre muito através da partilha do cozinhar, do comer, do beber. 
Assim, nesta edição de outono-inverno, no mês de junho, os posts  vêm com algumas receitas para fazerem juntos, dicas de ingredientes e de comidas para "aquecer" os dias e as noites, ideias para convidar os amigos para a mesa de queijos e vinhos, reflexões sobre tudo isso e trechos literários ao redor do tema.  O ancestral e o contemporâneo vão continuar sendo parte de nossas conversas, aqui e ali. Atividades, lugares e eventos podem aparecer, quando trouxerem boas alegrias. Para os cardápios do período, vou considerar os produtos da estação e do local, na medida do possível, mas também prestigiando aqueles que chegam de longe, de regiões específicas, como os queijos, os vinhos, os salames, os azeites. Porque, como referi há uns dias, somos feitos de raízes e de lonjuras. 

Bem-vindos à edição de junho do Serendipity in Cucina!

Com carinho,
Betina

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Vou adorar compartilhar emoções culinárias com você! Com carinho, Betina