sábado, 6 de maio de 2017

Mas Alba: os queijos e o território ancestral

Na estrada, placa aponta para o povoado de Terradelles

Meu primeiro contato com a força da ancestralidade aconteceu na província de Girona, na Catalunha. Aponto, com precisão, o ponto específico do mapa: no município de Vilademuls, encontra-se o povoado de Terradelles. Ali está a Queijaria e Hospedaria Mas Alba, da família Huguet. 

Terradelles tem registros desde 841 d.C., com diversas grafias e histórias. O número de habitantes cresceu até que se tornasse uma paróquia, da qual se tem a primeira notícia atribuída ao ano 1279. Pois é, uma das principais e mais antigas casas da localidade é desta família. Encontro, buscando referências do Google sobre o território, a seguinte citação:

"ANTIGA CASA HUGUET
S’alça majestuosament sobre el marge de la carretera. És l’antiga casa Sa Roca o millor dit Huguet i Sa Roca, d’on era originària la família Huguet, en la qual ha viscut fins que adquirí la vella casa Feliu de Terradelles i en féu la seva residència. Al pany de paret de la dreta del portal d’entrada hi ha una pedra amb la inscripció: “MIQUEL HUGUET ME FESIT 1726”. En la clau de l’arc de l’esmentat portal hi ha la data “1724” i, a la llinda de dues finestres que donen sobre la carretera, s’hi pot llegir “1686” i “1705”. Són dates que expressen l’antiguitat de la casa."

Mas Alba, em uma das laterais
paisagens do território
Com uma tradução aproximada, posso explicar assim: "Antiga casa Huguet: ergue-se majestosamente sobre a margem da estrada. É a antiga casa Sa Roca, ou, melhor dizendo, Huguet e Sa Roca, de onde é originária a família Huguet, na qual viveu até que fosse adquirida  a velha casa Feliu de Terradelles, onde a família fez sua residência. À direita do portal de entrada há uma pedra com a inscrição 'MIQUEL HUGUET ME FESIT 1726', um precioso registro da data de origem da casa, 1726, e de seu fundador, Miquel Huguet. Na chave deste mesmo portal, está a data de 1724. No espaço sobre duas janelas que dão para a estrada, pode-se ler 1686 e 1705. São datas que expressam a antigüidade da casa." Este trecho refere-se à primeira casa onde esta família viveu no povoado, demonstrando que os Huguet têm as raízes aprofundadas ali. A casa onde fica atualmente a Mas Alba é a segunda, chamada de "a velha casa Feliu de Terradelles". A foto que fiz de uma placa na fachada mostra a data de 1746, se bem me lembro. Em catalão, o termo Masia equivale à 'casa de fazenda', de onde vem, então, Mas Alba.

841, 1279, 1686, 1705, 1724, 1726, 1746: registros que nos transportam para a origem remota deste povoado e dos Huguet, do verde mais profundo de uma Catalunha ancestral. Neste cenário, em pleno Terceiro Milênio, uma parte dos queijos feitos pelo reconhecido queijeiro Martí Huguet é colocada na gruta da Mas Alba, para maturação. Ao que compreendi, esta gruta foi construída quando a família de origem adquiriu o terreno e ali passou a viver, na então referida "a velha casa Feliu de Terradelles" . Os antepassados, em sucessivas reformas, acabaram por cobrir o espaço, e quando os atuais Huguet deram início às adequações da casa para a realização da Queijaria, "descobriram" a gruta para aproveitarem sua estrutura. A 'cueva' foi toda adaptada para cumprir as exigências de ventilação e controles necessários à conservação dos queijos, e é parte da queijaria. Esta fica ao lado da casa onde mora a família atualmente e onde estão os quartos da hospedaria Mas Alba, a sala de estar, a mesa de refeições e a cozinha dos Huguet e dos hóspedes. 
"El Cremós", um dos queijos de leite de cabra
 feitos na Mas Alba
 Foi neste espaço que os sentimentos de ancestralidade, raiz, família e alimento encontraram-se como um conjunto de sentido, para mim. E com a palavra 'raiz' me refiro tanto ao significado de origem como ao de natureza, ambos essenciais na compreensão da importância que o ancestral tem para nossa humanidade mais íntima.No próximo post, conto sobre minha experiência na Mas Alba, uma das circunstâncias de maior transformação pessoal que já vivenciei no contato com o alimento, a natureza, a comida e o comer, a comensalidade e a força do antigo em nós.
Para visitar o site da Mas Alba, clique aqui!


Com carinho, 
Betina
Queijos na 'cueva'
Peças do "Terrós" maturando na 'Cueva": interessante
observar a semelhança entre o aspecto da casca e o da gruta,
em termos das cores e das texturas.
O presente e o ancestral encontram-se
no contato do queijo  com a gruta do século XVIII




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Vou adorar compartilhar emoções culinárias com você! Com carinho, Betina