sábado, 26 de março de 2016

Sabores e sentidos no Villa Crespo, em Porto Alegre

Vista do interno, eis a fachada do Villa Crespo
(até com luminária típica!)
Dia desses, voltei ao Restaurante Villa Crespo, uma buenísima Parrilla Porteña na Av. Teixeira Mendes 1151, em Porto Alegre. Aliás, para quem ainda não sabe onde ir amanhã, domingo de Páscoa, essa é uma saborosa possibilidade! Sugiro reservar ou chegar cedo (tels. 51-9235.68.77 ou 3365.30.00), pois é daqueles lugares concorridos, em finais de semana e feriados. Tinha conhecido o local ano passado, e tomado nota para retornar outras vezes, de tão bom que é. Então, já alinhavando as mudanças no blog, fui há poucos dias, para saborear o cardápio e fotografar detalhes para um post. 

Minha perspectiva, ao falar dos lugares que me agradam, é expressar o todo:  o modo como me senti no ambiente, saboreei os pratos e fui antendida, ouvi a música, vivi o lugar. Por isso, o Villa Crespo chegou ao 'Serendipity in Cucina". Minhas primeiras visitas ao restaurante, em 2015, não poderiam ter sido melhores: em linhas gerais, as escolhas foram um queso parrillero de entrada, com o Chimichurri feito na casa, tempero picante e viçoso na medida, uma cerveza (que não pode faltar), um asado de tira com molhinhos de acompanhamento, uma batata com queijo Roquefort, e, de sobremesa, uma panqueca de dulce de leche...O lugar me fez sentir alegria, pelas deliciosas conversas e risadas daqueles almoços, sem dúvidas, mas também pela atmosfera festiva que existe ali. E foi essa atmosfera que fui buscar, na visita recente deste 2016.

Que tal o cardápio? Clica aqui!

Numa refeição, exercitamos nossos cinco sentidos, e quando todos são contemplados com sucesso, a memória torna-se tão saboreável como a própria ocasião: o Villa Crespo deixa na gente recuerdos assim: a celebração, a partilha, a comida, os cheiros transbordantes, as vozes dos comensais em seu domingo com amigos e família. E foi o que ocorreu, a memória das sensações me inspirou a voltar lá. Esse clima todo é muito bom! 


Há um aspecto interessante quando falamos sobre o saborear na vivência do comer fora: o sabor  não é um sentido, ele está atrelado aos sentidos. Para mim, o sabor é o sentimento do gosto. Num entrecot, num asado de tira ou num queso parrillero, está o prazer do gosto, a tentação do cheirinho típico, o visual convidativo das tábuas à mesa, o Piazzolla tocando ao fundo, a textura perfeita da carne junto à maciez da batata com Roquefort derretido...Tudo isso compõe o sabor. Agora, a coisa vai além: na experiência, está a memória desses elementos,  existe a história deles em minha vida, o meu laço com Buenos Aires, onde essas comidas compuseram meu cardápio de lembranças; estão também presentes as primeiras visitas ao restaurante, a cor de vinho tinto das paredes, as madeiras escuras e as pedras da decoração, todas trazendo aconchego, o som das palavras no cardápio, a cremosidade do dulce de leche, um bege-dourado ultrapassando as fronteiras da massa de panqueca e se espalhando pela louça branca... bom, há tantos simbolismos que compõem o fato de elegermos um local como vivo em nossa carta de sabores pessoais, que é possível citar apenas exemplos, pois cada um de nós visita um restaurante com suas bagagens.

Voltei lá  para o almoço, prestei atenção a elementos do cenário, conversei com o mozo que atendeu a mesa com excelência, o Felipe,  e, através dele, conheci um pouco da história do local. O Villa Crespo tem este nome em homenagem a um bairro de Buenos Aires, o original Villa Crespo (para saber mais, clique no link Barrio Villa Crespo CABA). O proprietário do restaurante é o mesmo do Tirol, renomado pelos filés tradicionais em nossa Porto Alegre, e um local como o Villa Crespo era um sonho seu. Conforme o Felipe, foi feita uma ampla pesquisa nas parrillas porteñas, antes de abrir este, em 03 de dezembro de 2013, e todos os detalhes (cores, atmosfera, luminárias, quadrinhos, cabide de pirulitos, garrafas nas mesas) foram inspirados em parrillas de Buenos Aires. 

E como é bom conhecer a história de um lugar! Este foi um hábito que adquiri com a escrita culinária e com a prática da cocina viajera, atividade de pesquisa (por conta e risco) em que viajo para conhecer a cozinha das paisagens, como fiz na Província de Girona, na Catalunha. Estar em um local, comer os sabores daquela cultura, aprender sobre seus produtos e seus territórios são fatores que se tornam parte da nossa memória e da nossa construção pessoal. Tem sido muito prazeroso viver isso através dos escritos, através do blog e das conversas com os restauradores e funcionários, pois são possibilidades de enriquecer de simbolismo, e de sentimento, uma refeição. Não tenho objetivo de tecer crítica de restaurantes, não sei fazer isso e não é meu escopo: vou num lugar para descobrir como me sentirei ali, com que alegria sairei de sua porta e através de qual memória desejarei retornar à sua mesa. Tendo sentido conforto, prazer e alegria, recomendo aos amigos! 



E o Villa Crespo, com certeza, merece recomendação! 
Para conhecer, clique aqui:Villa Crespo Porto Alegre 

Com carinho, e Feliz Páscoa!!

Betina



Outras fotos!

salada de rúcula com parmesão
detalhes das mesas
pirulitos com inspiração porteña

detalhes das paredes, vindos de Buenos Aires
Detalhes das paredes, vindos de Buenos Aires



























Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Vou adorar compartilhar emoções culinárias com você! Com carinho, Betina