terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Em trabalho de campo: pesquisando receitas e histórias pra contar!

Olá!!

Nossa última conversa foi na semana passada, dia 04 de fevereiro, e, desde então, estive realizando a pesquisa de novas receitas no tema de verão do Blog, as entradinhas e as saladas. Em breve, virei postar as novidades. Estou em trabalho de campo, por enquanto...
 
 Interessante, nesta estação, foi observar que, quando estamos envolvidos em um objetivo, a atenção dirigida nos torna mais alertas, coloca nossos sentidos ainda mais em ação. Percebemos mais as nuances do 'objeto de pesquisa' e até mesmo passamos a enxergar o que nem veríamos, tempo atrás. E digo mais, em prol da  pesquisa, da curiosidade, da 'ânsia pelo novo', ficamos mais disponíveis a arriscar empreitadas que fomentem nossa busca. Ampliamos descobertas, pois estamos aptos - e ávidos- a enveredar por rumos estranhos a nós. Um exemplo? Para escrever aqui no 'Serendipity in Cucina', sobre as saladas, resolvi ampliar meu campo de experimentação, provando ingredientes e misturas que, em geral, olhava de longe nas mesas de buffet e nos cardápios aqui e acolá. Me propus a provar a salada de feijão, de que já contei num post de fins de janeiro, e avancei. Nesta semana, provei uma deliciosa salada de Quinua e outra de massa-esta última surpreendeu minha implicância com saladas de massa! Vou contar a vocês nos próximos dias...
 
A verdade é que, mesmo quando estou à paisana, sem papel e caneta na mão, tenho comigo minha principal ferramenta para as pesquisas: os sentidos...além deles, a vontade de conhecer também é um elemento e tanto no meu processo de ampliação de horizontes culinários. Sim, tenho me proposto a saborear saladas até então fora das minhas prediletas, para compartilhar com vocês, leitores. E esta vivência tem sido muito prazerosa, porque me sinto em uma missão lúdica: aventurar-me, conhecer ingredientes e suas combinações, sentir o resultado como proveitoso ou não, e elaborar o 'prato' na página em branco, o texto. Transformar sabores e sensações em palavras é um desafio que merece muito zelo, leitura, pesquisa e dedicação, para que a leitura seja apetitosa como é o prato que apresentamos... e, claro, este é um desafio que merece e que precisa de muito trabalho prático: provar, provar, provar, colocando no exercício o gosto, o olfato, o tato, a visão e a audição...todos fundamentais na composição do fenômeno 'sabor'.
 
Um dos aspectos de maior aprendizado deste período, para mim, é a quebra de paradigmas do 'não gosto desse ingrediente', 'tal salada não me apetece': estou arriscando mais nos sabores, às vezes com boas surpresas, como foi o caso da salada de feijões de janeiro e da salada de massa, de hoje à noite. Sim, o propósito é a pesquisa de novas receitas sobre as quais escrever, mas também há nisto um pretexto: a motivação para a ruptura do conhecido, em primeir o lugar. Em segundo, o simptrles fato de 'ter um objetivo' a seguir é foco de prazer, de jogo, de descoberta e de encontro com um novo sabor, ou com um antigo reinventado.
 
Na pesquisa, há também o encontro com textos de autores clássicos que 'ensinam' através de sua escrita, como tem sido, para mim, a leitura de ' An omelette and a glass of wine', livro de crônicas culinárias da inglesa Elizabeth David. A vivência destes textos é tão rica que merece um post inteirinho. E há, ainda, no pesquisar dos temas culinários, a comunicação com quem faz o prato, o modo como conta seu fazer, seus truques, suas percepções. Na leitura e nas conversas, o elemento em comum é a presença do outro em nossa história, em nossa busca, e é esta interação que dá o tempero especial para o trabalho de escrita de cozinha: do referencial que lemos e que escutamos ao interlocutor-leitor, comensal de nossas palavras.
 
Agradeço a visita dos leitores, que movem para adiante o entusiasmo para que o 'Serendipity in Cucina' traga receitas e novas histórias pra contar!!
 
Com carinho,
Betina

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Vou adorar compartilhar emoções culinárias com você! Com carinho, Betina