quarta-feira, 15 de maio de 2013

Ganhando uma geleia de presente, com receita e tudo!!!

Pois hoje recebi um presente muito afetuoso de uma leitora e amiga querida: um vidro da geleia de carambola e alecrim, feita por ela. O doce foi entregue junto com a receita, com dedicatória e tudo!!! Adivinhem se adorei?

Bom, logo pedi autorização para compartilhar a receita aqui no "Serendipity in Cucina"! Foi a primeira vez, que me lembre, que recebi um presente assim: o quitute e o 'como-se-faz' da autora, com data, assinatura e com o agradecimento carinhoso de quem elaborou o doce. Foi bárbaro!

Lá vai:

Geleia de Carambola e Alecrim

- 1kg de carambolas
- 50ml de água
- 175g de açúcar
- 1 canela em pau
- Alecrim a gosto

Tirar as sementes e picar as carambolas. Batê-la, aos poucos, no liquidificador. Adicionar a água se necessário, pois esta fruta já tem muita água. Colocar a carambola batida (sem coar) e o açúcar em uma panela grande. Acrescentar a canela e o alecrim. Deixar 25 minutos em fogo alto/médio, sempre mexendo para não grudar. Depois, deixar mais 25 minutos em fogo baixo, sempre mexendo. Quando pronta, colocar em potes de vidro.

Três pontos, além do 'como-se-faz', que traduzem a presença da cozinheira na escrita da receita:

1..."Cuidado: o cheirinho da combinação carambola/alecrim vai deixar tua cozinha inebriante."

2..."Sugestão: Comer com queijo branco, como ricota. Fica uma delícia."

3...A dedicatória: "Betina, muito obrigada por me ajudar a ousar. Nunca colocaria alecrim na carambola e, veja só, casou tão bem! Beijos, Gabi

4...A data!

Pois a geléia é de um amarelo perolado suave, um cheiro de pátio recém desperto, um sabor doce e viçoso, na dose certa. E é verdade, a combinação da carambola com o alecrim, num pano de fundo aquecido pela canela, faz a festa! Ah, e é importantíssimo acrescentar: o pote do doce foi decorado pela própria doceira!

Como é saboroso receber um presente feito por quem presenteia!!! E mais...interessante observar como uma memória alinhava-se à outra: ainda ontem, contava sobre a Vó Alda, lembrando de suas receitas assinadas e datadas, com 'Fim' no término da explicação, imprimindo sua marca ao registro. Para mim, a riqueza do 'fui eu que fiz' está nestes detalhes, a dedicatória, a data, a sugestão de como saborear o quitute. E, se ontem lembrava das anotações da Vó, escritas à mão para uma pessoa querida, hoje recebo- também escrita à mão por uma amiga- uma receita, em folha de caderno de receita, para completar meu presente!!! E tem mais: as carambolas vêm de um pátio de muito significado, e isto faz toda a diferença na história desta receitinha! Devo mencionar as referências da autora sobre o aroma que inebria a cozinha, e o retorno que recebi, pelo estímulo à ousadia nas combinações culinárias!!!

Foi uma vivência muito feliz receber este presente. De algum modo, por incentivar o gosto às misturas que nascem da ideia, senti-me parte do contar de uma história, a história de um como-se-faz, a história de uma invenção...

Quis muito compartilhar com os leitores, aqui no blog, a alegria deste presente:
um doce feito à mão e uma receita escrita à mão!!

Bom proveito!!!

Com carinho,
Betina



2 comentários:

  1. Esse é aquele momento que a gente fica sem palavras, com os ombros encolhidos e os braços perto do coração de tanta felicidade. Dividir minha ousadia contigo foi um modo de agradecer pelo incentivo a ousar. E receber este post como agradecimento me deixa sem palavras, muito emocionada mesmo. Muito obrigada!!! Beijos, Gabi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Gabriela! O post foi um agradecimento pelo afeto que vem no pote decorado, na receita escrita à mão, e na criação da geleia, que está espetacular! Realmente, receber um quitute junto ao 'como-se-faz', como algo que adoro presentear , é um presente que eu mesma nunca tinha recebido! Foi muito gratificante!!! Beijos e crie mais vezes!!!!

      Excluir

Participe! Vou adorar compartilhar emoções culinárias com você! Com carinho, Betina