sexta-feira, 22 de março de 2013

A 'Felicidade Interna Bruta'...

Boa noite!

Eu estava por escrever mais algumas receitas históricas interessantíssimas, as sugestões para nossos tempos, algumas ideias aqui e acolá...E veio o 20 de março de 2013, o primeiro "Dia Internacional da Felicidade"! Determinado pela ONU...

Bom, e como felicidade é um assunto muito sério, em termos de saúde, inclusive, decidi pensar nisto no post de hoje. Sou de ficar feliz com pequenas coisas do cotidiano: encontrar um amigo na rua, fazer um bolo saboroso, tomar um cafezinho em silêncio no meio de uma tarde corrida, numa daquelas cafeterias momentâneas nas vizinhanças do trabalho.

A cozinha, o Blog, a partilha, as risadas, o amor, uma invenção culinária: tudo me deixa feliz, mesmo quando efêmero ou em tempos difíceis. Mas há outras formas de perceber e de valorizar a felicidade, às vezes mais custosas, mais complicadas...

 O que você acha: haverá quem considere este 'ficar feliz' algo tão precioso que reserve para ocasiões especiais?  Haverá quem economize vivências rotineiras, simples, que  dão aquela sensação boa, alegre, prazerosa, guardando as 'milhas' de felicidade para algo astronomicamente importante? Ainda: haverá quem espere por algo que valha a pena para estar feliz, como se não quisesse 'gastar' a felicidade  no trivial? 
A meu ver, a tal felicidade não é uma ocorrência histórica, algo extraordinário que nos acontece. No meu sentir, é no exato 'ordinário' que ela habita. E isto é precioso, pois temos uma riqueza nas mãos, a ser vivida com maciez, com prazer, sem check-in, sem cerimônias. Claro, este é meu modo de perceber a dita-cuja, que hoje partilho nesta reflexão.

Agora, pensando...Isto de a ONU estabelecer um dia para a Felicidade pareceu-me curioso, de início. Disse para mim mesma: "...Mas a Felicidade precisa de um dia especial?"

Pois refleti sobre isto, ontem. Partilhei com amigos, família, gente querida. Lendo sobre o tema, percebi que há o propósito de promover a conscientização para a importância de ser feliz, algo proclamado internacionalmente. E não é verdade que isto às vezes nos escapa, se estamos felizes ou não? Que às vezes vamos seguindo, algo anestesiados, pelos caminhos do dia? Que nem prestamos atenção nos sabores do que comemos, nas texturas, nos aromas, na parte de nós que ingere sem degustar? Que cozinhamos com a cabeça nas preocupações?

E tantas outras verdades existem nesta privação cotidiana de alguns quanto ao 'saboreio' da felicidade diária. 

Foi quando li algo sobre o Butão, que usa a "Felicidade Interna Bruta" como indicador de desenvolvimento. Eu tinha ouvido falar sobre isto, mas nunca me detive muito, confesso. Ontem, ao ler sobre o fato de a ONU ter definido a relevância do tema, atribuindo-lhe um dia especial (pela primeira vez na História), fiquei curiosa.


Vale para pensar em como é possível conquistá-la, sentir o bem-estar, andar com leveza, e tantas outras vivências simples do nosso dia-a-dia. Ao usarmos nossas 'milhas' de Felicidade no simples percurso dos nossos afazeres, das nossas relações, e por aí vai, já instalamos o bem-viver. Não vou entrar no mérito de valorizar as dificuldades, que fazem parte das agendas de todos nós. Hoje, dedico-me a focar no que podemos buscar de bom, de simples, para a caminhada diária. E o próprio termo "Serendipity" quer dizer, em linhas gerais, um "acaso feliz"...Foi por isto que escolhi este nome para o blog, pelos tantos 'acasos felizes' que a cozinha pode propiciar, se estivermos atentos. Assim como acontece pela vida afora: se estivermos 'ligados', e não com a cabeça em problemas, estaremos presentes em nossa rotina e com maior abertura para percebermos oportunidades felizes.

Um treino bárbaro para esta atenção ao presente é o fazer culinário: pelo prazer que propicia e pela necessidade de estar focado em cada etapa da receita, em cada invenção, em cada descoberta.

Benefícios da Felicidade para a nossa saúde? Contarei em breve!

Gracias pela visita!
Um abraço,
Betina

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Vou adorar compartilhar emoções culinárias com você! Com carinho, Betina