terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Contando sobre o pão de Salame e Funcho: meu 'como-se-faz'

Pois conto, hoje, como faço minha versão do 'Pão da Luminara'. O Tradicional, da Valéria, o que deu origem ao nome, está no livro...:)!
Vamos lá: meu 'como-se-faz'!

Começo sempre com uma cantoria alegre e mansa no ambiente (em geral, Italiana), que me deixe em estado de ânimo propício para fazer este pão, sempre motivo de encontro e partilha entre família e amigos. Uma música que me faça feliz, que espalhe entusiasmo pela cozinha. Afinal, estar de bom humor é algo essencial para qualquer fazer culinário. Gosto de fazer este pão à noite, quando o escuro, o sereno e a quietude da rua me fazem companhia. 

Abro a porta que dá pro jardim, trazendo pra dentro de casa os cheirinhos que vêm de lá, e tomo assento na mesa da copa, pra rasgar as fatias de salame. Atividades como esta, a de rasgá-lo em pedacinhos, acalmam os pensamentos do dia, nos mantêm entretidos no foco do agora. Somos atraídos ao momento por sua intensidade: pelo aroma, pela cor grená, pela textura áspera e engorduradinha ao toque, pelos rasgos que vamos fazendo em cada fatia (cada uma rende uns 9 pedaços, aproximadamente.). Melhor pensar em coisas boas neste 'enquanto': como já escrevi, nos partilhamos no alimento que fazemos, e é essencial que estejamos bem!

Com um quilo de Farinha, um pacote de Fermento Biológico em Pó e Água quanto baste (qb), trabalho a massa até que solte das mãos. Coloco em sua estrutura, então, sal a gosto, um pacote de 100g de queijo ralado e azeite de oliva. Costumo apertar a massa com as mãos, de todos os lados, e vou colocando o azeite, até que sinta a maciez do conjunto, pela superfície (uns seis ou sete giros do azeite em geral fazem uma boa textura.). Agrego os pedacinhos de salame, deixando-os 'encrustrados' à massa. Como faço? Incluo-os e vou virando e revirando a dita-cuja, abro-a e coloco outros ali, fecho-a e abro por outro lado, e assim vai...Quanto uso do salame? Da última vez, arrisquei alto: 4 pacotes de 100g cada, mais ou menos. 400g de salame! Porque os pedaços têm de estar por tudo!!!

Deixo a massa descansando, na vasilha, com um pano de prato por cima. Em média, por 30-40 minutos. Passado este tempo, unto e enfarinho uma forma retangular grande. Espalho a massa em sua extensão, cobrindo (quase) todo o fundo. Então, em duas gemas, misturo dois pacotes de sementes de funcho (misturo bem), para depois 'lambuzar' toda a superfície do pão com o composto.


Finalmente, o forno pré-aquecido a 180ºC, por uns 10 minutos, recebe a receita. Tempo? Em torno de uma hora, na mesma temperatura, 180ºC.

O contraste do Salame com o sabor do Funcho, nesta mágica, é algo extraordinário! Conto um pouco sobre esta sensação em "Louca por Funcho", no blog e no livro. No entanto, para imaginar, só arriscando! Para servir, gosto de cortar em retângulos e oferecer com uma Geléia de Mirtilo, com Mel ou com minha Chimia de Tomates. Uma boa taça de Café, ou um bom Vinho, dependendo do turno e das circunstâncias, fazem bela companhia ao conjunto!


Gracias pela leitura! 

Abraços,
Betina Mariante Cardoso





2 comentários:

  1. Báh!!!! Fiquei com água na boca rsss Deve ser divino!!! bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Beth! Gracias pelo "Divino"! Gosto muito desta receita, do fazer e do saborear...Vale a experiência, e podes descobrir outras apresentações...Estou por publicar novidades! Bjs

      Excluir

Participe! Vou adorar compartilhar emoções culinárias com você! Com carinho, Betina