domingo, 29 de abril de 2012

A Química da Paixão (por um Crème Brûlée...)





Você deve ter escutado algo parecido de alguém que se apaixonou perdidamente...Pois preste atenção: aqui está o caminho das sensações de paixão em nosso cérebro, a partir de algum estímulo irresistível...
Que tal este?

Química da Paixão 
Assim eu explicaria o aspecto gráfico acima, refletindo sobre o caminho das sensações prazerosas que chegam ao nosso cérebro...A beleza na apresentação do doce estimula nosso sentido da visão...O aroma do doce (que se pode imaginar) , é conduzido pelo sentido do olfato. Do gosto, nem se fala...O nome, Crème Brûlée, escutamos inebriados. E escutamos o som da colher rompendo a casquinha, até mergulhar, silenciosa e profana, no creme. Na colherada, além do gosto, sentimos este tocar (um cleck abafado, seguido de um sussurro macio). Todas estas sensações são transmitidas ao tálamo, encarregado de avisar à amígdala, estrutura chave na identificação de emoções no sistema nervoso central.
A amígdala, estrutura presente no cérebro (Sistema Límbico) recebe "chegou coisa boa", e avisa o hipocampo, estrutura responsável pelo armazenamento de memórias de longa duração. O hipocampo recebe a notícia, vai buscar nos arquivos, e retorna  em seguida para a amígdala cerebral:  "Isso é bom, nós gostamos disso...", pois lembra, memória antiga, do conforto da baunilha, da sedução do caramelo...Busca os registros e entrega-se ao desejo. A amígdala informa os outros centros cerebrais, inclusive os centros do prazer, cuja susbstância 
principal é a dopamina, que, liberada, desperta aquela sensação de bem-estar, uma moleza extasiante...A noradrenalina, responsável pela manifestação física de exaltação frente a estímulos intensos- taquicardia, respiração ofegante e suspirosa- salta à frente, e avisa o organismo que está sentindo prazer com esse doce tão bom...
Tudo isso sem que nos demos conta, até aqui.
Áreas de conexão com o hipotálamo comunicam nossos centros de regulação hormonal e homeostase. Tudo de forma muito sublime, ainda que intensa. Todo nosso organismo fica imbuído daquela sensação de prazer. Somos, naquele momento, toda a resposta ao crème brûlée: cérebro, corpo, sangue, batidas do coração. Isso se chama seqüestro neuronal. Todos os centros cerebrais comprometidos com a elaboração daquela sensação prazerosa...Todos os neurônios pegando uma colheradinha do doce, não querendo nem saber se tem outras coisas pra fazer. E ainda não elaboramos, no córtex, mas algo nos diz que aquilo é muito bom, que gostamos daquilo, e que deve fazer bem...
Eis que, depois de uma volta pelos centros que regulam prazer, memória, homeostase, sobrevivência, chega ao neocórtex a informação de que acabamos de comer um pote inteiro de crème brûlée, com sorvete de chocolate, folhas de hortelã e morangos...Uma maravilha. isso depois de uma lauta refeição, com muito vinho e belos pratos. Nosso neocórtex diz que tudo bem, mas que abusamos...que amanhã é dia de dieta, e isso, e aquilo... é tarde. Ele soube de tudo depois de termos sentido prazer, de nossa amígadala e hipocampo terem concordado que aquilo tudo é muito bom, de todos os nossos centros de prazer e gratificação, de sobrevivencia, terem achado que tudo foi uma grande festa. Depois é que o neocórtex foi avisado, soube da algazarra toda. Não, não dava mais tempo. Ele pode tentar nos ajuizar, mas com certeza nossas estruturas límbicas estarão prontas amanhã pra mais uma rodada: o centro da gratificação, modulado pela dopamina, vai avisar que quer de novo, o hipocampo registou que o doce é bom mesmo, e deixou gravado.
E o tálamo, quando receber o cheirinho de Crème Brûlée ou ver em outro cardápio, vai fazer o sistema rodar, e tudo de novo: amígdala, hipocampo, centros do prazer, taquicardia. É sempre crème brûlée. Vai chegar ao neocórtex a informação: "queremos Crème Brûlée!!!!"... O tal vai pensar, vai pesar aqui e ali, mas não adianta mais: ficou com vontade de pedir, também. Ninguém resiste!


Betina Mariante Cardoso

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe! Vou adorar compartilhar emoções culinárias com você! Com carinho, Betina